segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

MST ocupa fazenda de ex-prefeito de Montes Claros, MG, acusado de corrupção.

MST ocupa fazenda de ex-prefeito de Montes Claros, MG, acusado de corrupção.

Nota do MST/MG.


A Fazenda Norte América, de 3 mil hectares, no município de Capitão Enéias, no Norte de Minas Gerais, foi ocupada na madrugada do dia 16/01/2017, por 150 famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). A área é improdutiva e há indícios de que era utilizada pelo ex-prefeito de Montes Claros (MG), Rui Muniz, e seus sócios, para lavagem de dinheiro.
A fazenda possui uma dívida milionária no banco, foi arrematada pelo grupo SOEBRÁS (Sociedade de Educativa do Brasil), porém nunca foi paga. A SOEBRÁS é uma das várias entidades filantrópicas utilizadas pelo ex-prefeito Ruy Muniz para desviar recursos federais e da prefeitura de Montes Claros. Por tais desvios, o ex-prefeito foi preso em setembro de 2016, assim como seus sócios. Destaca-se Leonardo Andrade, que ocupava o cargo de secretário de Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente e Agricultura na prefeitura de Montes Claros. Leonardo é conhecido como proprietário da fazenda e durante a ocupação, uma senhora que se identificou como mãe dele foi encontrada na casa sede. Empregados da fazenda afirmaram obedecer ordens de Leonardo e não possuir carteira assinada, mesmo após nove anos de trabalho.
Latifundiário, corrupto e golpista Ruy Muniz foi preso dia 01/09/2016 no dia seguinte à votação do impeachment da Presidente Dilma Rousseff. Na ocasião, sua mulher Raquel Muniz, deputada federal, dedicou o voto à integridade moral do marido afirmando que “o Brasil tem jeito e o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós, com sua gestão. Por isso eu voto sim, sim, sim”. Atualmente ele responde a processo, acusado de estelionato, falsidade ideológica, prevaricação e desvio e/ou apropriação de recursos públicos.
Muniz responde a inúmeros casos de desvio de recursos públicos utilizando entidades filantrópicas. Em 1987 cumpriu pena por dar golpe num banco público e atualmente responde por reter as verbas destinadas ao SUS em Montes Claros, para precarizar o atendimento público de saúde e beneficiar seu hospital particular.
Outro caso é de desvio de gasolina da Empresa Municipal de Serviços, Obras e Urbanização (ESURB), com um rombo estimado em mais de R$ 20 milhões, dinheiro que seria usado para pagar as prestações da mansão da família Muniz. Para possibilitar o esquema, Leonardo Andrade e Cristiano Júnior foram nomeados em cargos estratégicos na administração municipal. Ambos são apontados como “laranjas”, de Muniz, figurando como sócios do “conglomerado empresarial”.

De acordo com investigação do Ministério Público, o grupo do ex-prefeito e da deputada Raquel Muniz soma 146 pessoas jurídicas que sugam milhões dos recursos públicos há anos, através das chamadas entidades filantrópicas.

OS MORADORES DA VILA SAMAG/DO CANAL, EM CONTAGEM-MG, E O MLB (MOVIMENTO DE LUTA NOS BAIRROS, VILAS E FAVELAS), VÊM DENUNCIAR A GRAVE SITUAÇÃO DA VILA E EXIGIR QUE O PODER PÚBLICO TOME PROVIDÊNCIAS URGENTES. CHEGA DE ENROLAÇÃO!

OS MORADORES DA VILA SAMAG/DO CANAL, EM CONTAGEM-MG, E O MLB (MOVIMENTO DE LUTA NOS BAIRROS, VILAS E FAVELAS), VÊM DENUNCIAR A GRAVE SITUAÇÃO DA VILA E EXIGIR QUE O PODER PÚBLICO TOME PROVIDÊNCIAS URGENTES. CHEGA DE ENROLAÇÃO!

Nota Pública. Contagem, MG, 14/01/2017. URGENTE!!!


A região da Vila SAMAG/do CANAL, em Contagem, MG, alaga todos os anos ... há pelo menos 10 anos. Perdemos nossos móveis, nossos mantimentos, nossos animais de estimação, nossas roupas. Muitas vezes as reportagens mostram um alagamento, até mostram o drama das famílias que perdem tudo. Mas por que, entra ano e sai ano, o problema não se resolve?
Como é possível a Prefeitura de Contagem (na gestão de Carlin/PCdoB) gastar 28 milhões de reais na obra da "Trincheira do Itaú" e não resolver a questão do alagamento, que é o problema principal daquela região? As famílias que moram no entorno aguardam há quase 10 anos a tal obra das bacias de contenção (de responsabilidade do governo do Estado de Minas Gerais), a requalificação do córrego Ferrugem, mas até hoje NADA.
Na verdade, muita coisa já aconteceu nesses anos: removeram famílias de suas casas, pagaram indenizações (sempre injustas), outras centenas de famílias (Vila SAMAG, Vila Itaú, entre outras) estão no bolsa-moradia há mais de 5 anos, pois suas casas foram demolidas, para fazer as obras, mas até hoje, NADA. Quantos milhões de reais já foram gastos com isso? Quem se beneficia com isso? Os prédios para essas famílias morarem deveriam estar prontos desde janeiro de 2015! Isso é um absurdo! 
Nesse cenário, dezenas de famílias sem-teto reocuparam algumas casas na Vila SAMAG (essa mesma área que alaga todos os anos e que já deveria ter prédios construídos desde 2015), por exemplo, por não terem onde morar. Cadê os programas habitacionais de Contagem? Cadê a Conferência das Cidades, para o povo debater isso com a Prefeitura e os demais responsáveis?
Tem também a questão da valorização da região com "grandes obras" da chamada especulação imobiliária, como o shopping Itaú, a própria Trincheira do Itaú, as obras de condomínios de luxo da construtora Direcional (a mesma que ameaça as famílias das comunidades da Izidora). Isso, na prática, torna muito cara a vida na região e consolida o processo de expulsão dos pobres da região. Isso somado às constantes ameaças de despejo (de forma ilegal, intimidando e pressionando as famílias), às falsas promessas de obras para contenção de alagamentos e também à violência e repressão policial.
Desde novembro de 2016 estamos lutando intensamente para encontrar soluções definitivas paras famílias que reocuparam a Vila SAMAG e também pressionando o Governo do Estado e a Prefeitura de Contagem para ter informações sobre o andamento das obras. Já tivemos algumas reuniões, inclusive com a Mesa de Negociação do Estado, com a Secretaria de Habitação de Contagem, mas, infelizmente, além de descumprirem muitos dos combinados, num total desrespeito às famílias, não fizeram nada efetivo. O máximo que chegaram a propor é que as famílias sejam encaminhadas para abrigos. Isso é esparadrapo em cima de ferida. O poder público é responsável pela moradia e precisa solucionar esses casos definitivamente. É a vida das pessoas que está em risco.
Chamamos todos os moradores de Contagem que estão revoltados com essa situação a se juntarem às famílias da Vila SAMAG para cobrarmos uma solução justa, definitiva e rápida.
O Governo do Estado e o prefeito atual de Contagem (Alex de Freitas/PSDB) estão cientes da situação das reocupações da Vila SAMAG, pois já fizemos diversas denúncias e reuniões e eles já fizeram sindicância na Vila. E também estão cientes da situação das outras Vilas, do atraso das obras, enfim, do descaso com o povo. Sobre a Vila SAMAG, o que nos disseram era que em 10 dias, a contar do dia 12 de janeiro de 2017, nos dariam uma posição. Até lá as famílias vão dormir onde? Vão ver quantas vezes a água suja tomar conta de suas casas?
A responsabilidade pelos alagamentos, perdas dos bens, doenças, e toda essa situação precária e desumana é de vocês, gestores.
Exigimos imediata solução para esses problemas: retirada das famílias da Vila SAMAG para casas em boas condições (com o benefício da bolsa-moradia até a solução definitiva de moradia digna; inclusão das famílias nos programas de habitação do Município de Contagem (com prazo determinado para entrega das chaves, se é que essas políticas existem...); prestação de contas e esclarecimentos sobre as obras da bacia de contenção/projeto do córrego Ferrugem e sobre a obra da Trincheira do Itaú que não resolveu absolutamente NADA e custou 28 milhões de reais!
Como a situação está muito extrema nesses dias de chuvas, pedimos à população em geral que se solidarize com as famílias e APOIE COM DOAÇÃO DE ALIMENTOS, COLCHÕES, MATERIAL ESCOLAR, E O QUE MAIS FOR POSSÍVEL. Agradecemos desses já! 
Com luta, com garra, a casa sai na marra!

Contagem, MG, 14 de janeiro de 2017.

Contatos para maiores informações pelos celulares: 31 98565-8032, 31 99381-6251 ou 31 99320-4024
Assinam essa Nota Pública:
Moradores da Vila SAMAG
MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas)
CPT (Comissão Pastoral da Terra)


sábado, 14 de janeiro de 2017

Memória da I Romaria da Terra e das Águas de MG/Manga/04/10/1996 e XX Ro...

II Romaria da Terra do Noroeste de Minas Gerais/Arinos/MG/25/07/1993: 27...

Primeiro grito da XX Romaria das águas e da Terra de Minas Gerais, no Noroeste, vem da prisão, em Carta de um militante preso: Carta a um amigo.

Primeiro grito da XX Romaria das águas e da Terra de Minas Gerais, no Noroeste, vem da prisão, em Carta de um militante preso: Carta a um amigo.


O autor é Jorge Augusto Xavier de Almeida, o Jorjão Sem Terra, preso em Unaí, MG. “O amigo” são as nascentes, os córregos, os rios e os povos do Noroeste de Minas Gerais, tão violentados pelo agronegócio e pelo hidronegócio. O poema clama em defesa das águas, da vida e da dignidade humana e socioambiental.

A XX Romaria das águas e da Terra de Minas Gerais será realizada no Noroeste de MG, na Diocese de Paracatu, com celebração final dia 23 de julho de 2017, em Unaí. Terá como Tema: Povos da Cidade e do Sertão Clamando por Água, Terra e Pão. E Lema: Povos, Rios, Veredas e Nascentes são Dons de Deus em Romaria e Resistência.
Leia devagarinho refletindo sobre o que diz o poema, abaixo. Se você se comover, compartilhe-o.
Carta a um amigo – Carta de um militante preso.
De Jorge Augusto Xavier de Almeida, o Jorjão, preso em Unaí, MG.

Meu amigo barriguda
Escrevo para te dizer
Que não esqueço de ti
Mas nada posso fazer
Porque também vivo preso
Me resta só te escrever

Estimado companheiro
Quero aqui reafirmar
O compromisso que eu fiz contigo
Numa noite de luar
De lutar sem cansaço
Pra poder te libertar

E quando eu sair daqui
Vou logo te visitar
Nessa terrível prisão
E quero te confirmar
Que tu tens advogados
E o alvará vai chegar

Os teus irmãos Taquaril
Bebedouro e Confins
Tiveram sentença igual
E levam vida ruim

Vivendo prisioneiros
Num cativeiro sem fim

Extrema e veredinha?
Eu nem sei s’indá tem jeito
Só poeira e sequidão
Existe dentro do leito
Isso só aumenta a angústia
Que trago dentro do peito

Quem chora por tu também?
É a Gralha e o Juriti
Que bebiam tua água
E descansavam ali
Mas da sombra d´tuas margens
Foram obrigados a sair

E o cantar de tristeza
Dos passarinhos é notório
Afinada orquestra fúnebre
Tocando em um velório
Eles velam o leito seco
Quem me contou foi Honório

Não quero te deixar triste
Mas seu Gonçalo falou
Que as famílias de Lontras
Que você alimentou
Morreram de fome e sede
Quando teu leito secou

Naquele teu leito seco
Urubus fez festa ali
Com a morte de tantos peixes
Não sobrou nem um Acari
E do Vida Nova abaixo
Não existe um Lambari

E como fica o Urucuia
Com essa ausência sua?
A água que ele tem hoje
Mal abastece a rua
O povo já reclamou
E o estado não atua

O Urucuia está enfermo
É um rio sem alegria
Pois sente a degradação
Que viola a sua bacia
As águas diminuindo
E a morte é questão de dias

E quando o rio morre
Também morre a esperança
Só no campo da memória
Conservamos a lembrança
De um ambiente perfeito
Destruído por ganância

Velho Chico sente falta
De vocês fazendo a festa
Contribuindo com ele
Organizando a seresta
Para uma grande piracema
E compondo aquela orquestra

A festa ficou foi triste
Não tem mais alegria
D’quando vocês iam juntos
De Minas para a Bahia
Até chegar a Sergipe
Viajando noite e dia

Sei que você foi detido
Por força de liminar
E a ordem veio d’um juiz
Para te aprisionar
Foi um mandato de prisão
Que fez teu leito secar

Quem assinou a sentença
E mandou te executar
Foi o juiz Adriano
Trabalha em BH
Na 5ª vara da fazenda
A ordem partiu de lá

Você é um caso a parte
Precisamos muita sorte
Esta sentença pesada
Embora a lei comporte
Você já foi condenado
A uma pena de morte

Se teus opressores dessem
Uma saída temporária
Pra passar o Natal conosco
É meu desejo, tomara
Vai ser o melhor presente
Será uma jóia rara

Nessa prisão minha e sua
Eu penso todo segundo
São poucas as semelhanças
O meu pensar é profundo
Me deter afeta pouco
Te prender afeta o mundo
Na luta por liberdade
Você não está sozinho
São milhares de pessoas
Que te tem muito carinho
E o carrasco é um só
Mora perto e é teu vizinho

Barriguda eu termino
Todo cheio de saudade
Desejo que tenha forças
Pra enfrentar a maldade
Confesso que me orgulho
De ter a vossa amizade.


Presídio de Unaí, MG, véspera de Natal de 2016.